Para não ficar com um baita peso na conciencia, fiz este post mostrando os melhores momentos de Londres Fashion Week, Milão e Paris. Por hoje vou comentar um pouco sobre o evento que ocorreu em londres á algumas semanas atrás.

Breve explicação : A proposta do post não é desdenhar todos os passos de cada estilista, e sim dos que mais me agradaram.

Um dos melhores desfiles (na minha opinião) foi o da estilista coreana  Eun Jeong (nome difícil). A moça se destacou pela propositura  de  uma silhueta feminina, definida pela opulência de tecidos, fartos drapeados e bordados mil. Sob o título “Black Vanity”, a cartela  variou de corais, beges e marinhos. E para a noite: muitos vestidos longos em cetim, outros curtos, transparências, deliciosos macacões espaçosos. ainda propôs os mantôs de lã, com lapelas espaçosas ou maxicapuz.

A brasileira Daniella Halayel  apostou para a high-society à aristocracia inglesa.  Para este inverno, a estilista buscou nos  indianos e com os tribais, poás irregulares e uma gama de cores quentes. O cereja, o laranja e o pink combinavam entre si e coloriam sua coleção. Depois vieram os pretos, veludos,  pelerines retalhadas e os prints de zebrinha . A cintura volta ao lugar, marcada por espessas palas ou largos cintos, e os decotes revelavam uma sensualidade nada explícita, mas muito sexy. Lindo de mais a Coleção, e o bati cabelo das moçoiolas então?!

Londo, London and London

Londo, London and London

Christopher Kane apostou para este inverno  interpretações das linhas: horizontais, verticais e em sinuosos ziguezagues. Nas peças, elas se juntavam, se sobrepunham, desenhavam molduras, criavam debruns e, acima de tudo, causavam um impressionante efeito óptico. Usou os tecidos como veludo devoré e organzas finíssimas. Os vestidos de shape seco, casaquetos de lã e blazers de abotoamento duplo garantiam um certo despojamento à coleção. Na paleta de cores,  muito preto, nude e cinza. Muito Chic este garoxooo.
A queridinha dos Fashionistas e os aspirantes a moda punk, aplaudiram mais uma vez o inverno de Vivienne Westwood  em sua coleção Red Label (uma coleção mais baratenhaa).A mona  não deixou de lado suas características fortes, como o xadrez tartan e o trabalho de pregas retorcidas, vieram  também os brasões nos blazers e tailleurs bem cortados em lã fria. O ponto alto do show foi os cocktail dresses em tafetá de seda, lindos de morrer. 
londo, sweet, love and grunge.

londo, sweet, love and grunge.

No próximo post: The best of: Milan Fashion Week.
Besitos e sucesso para nós.
Anúncios